top of page
  • Foto do escritorViver Alternativo

Ser Saudável, pela Dra. Patrícia Lopes



A Patrícia entrou por acaso na minha vida, através do balcão da farmácia, profissão que ela abraça de coração, pelas pessoas. Mas a empatia foi quase que imediata, e quiseram as circunstâncias da vida que lentamente se tornasse uma fonte de inspiração para mim. Tanto que ela me ajudou sem saber, minha mentora em tantas situações. E agora digo, minha amiga com um orgulho brutal, por ter uma pessoa tão pura e genuína perto de mim. Grata Patrícia, por seres como és, por estares na minha vida. Gratidão!


___________________________________________________________________________________________


"Sendo Farmacêutica Comunitária e tendo como “ponte”, para com a população que sirvo, o balcão de farmácia, fui me apercebendo ao longo do tempo que existem hábitos de vida, de cariz alimentar, de motricidade, entre outros, que culminam na doença.


Cheguei também à triste conclusão que, na maioria das situações, as pessoas procuram soluções fáceis e rápidas na resolução dos seus problemas de saúde, nomeadamente com a toma de medicamentos, nas suas mais diversas apresentações, delegando a responsabilidade pelo seu bem estar a uma entidade externa, que vem embalada, pronta a ser “consumida”… Desta forma continuam a compactuar com um estilo de vida nada saudável, sem qualquer remorso ou problemas de consciência.


O interesse pela área da Nutrição e Estilo de Vida Saudável deu-me “boleia” até à leitura de temas bem interessantes que cada vez me faziam (e fazem!) mais sentido. Um dos autores que mais curiosidade me suscitou foi o Dr. David Perlmutter e o seu “Cérebro de Farinha”. Tudo o que li, tudo o que observei até então começou a encaixar-se e a clarificar-se: sim, andamos a ingerir demasiado glúten, açúcar e alimentos processados! Descascamos pouco e desembalamos muito!



Estamos rodeados de pseudo alimentos e falsos nutrientes, que criam adição e uma falsa sensação de bem estar, desde a fase do desmame do aleitamento materno. Desta forma vamos coexistindo com um constante estado de inflamação, que culminará na doença. Por sua vez a doença será teoricamente resolvida com o uso e abuso de medicamentos. Assim se gera uma relação quase que simbiótica entre as indústrias alimentar e farmacêutica, que em nada nos beneficia mas tem o nosso aval…


Independentemente da nossa “crença alimentar”, seja ela o estilo paleo, nas suas diferentes variantes, veganismo, vegetarianismo ou macrobiótica, existem denominadores comuns, transversais a qualquer opção alimentar que se define como sendo saudável:


  • procurar alimentos no seu estado mais “clean”, mais puro e menos processado.

  • evitar ou reduzir lacticínios, doces, açúcares, gorduras processadas, óleos refinados e sal de mesa.

  • evitar álcool, tabaco e outras drogas.

  • respeitar a Natureza procurando escolher os alimentos na época deles.

  • optar pelo cultivo biológico evitando os alimentos inquinados pelos pesticidas, herbicidas e afins.

  • nunca ir para a cama com a digestão por fazer.

  • mastigar cada pedaço entre 30 a 50 vezes.

  • beber “água boa”, ou seja, água mineral ou água dura, com muito cálcio e magnésio, mantendo o corpo com um pH alcalino ótimo.

  • optar por técnicas de confeção culinária que preservem os nutrientes dos alimentos, como por exemplo cozinhar a vapor.



Para além do que colocamos no prato há que parar um pouco e privilegiar o que nos dá Vitalidade. Devemos cuidar do nosso “jardim interior”. Assim sendo há que aceitar o desafio e cuidarmos de nós próprios, na verdadeira aceção da palavra e operarmos uma real “nutrição de Alma e Ser”. Para adotarmos um estilo de vida saudável, para além da alimentação e hidratação deveríamos:


  • acalmar a velocidade do dia-a-dia, reaprender a respirar, relaxar e meditar.

  • incluir a prática do exercício físico escolhendo algo que nos dê entusiasmo e alegria.

  • respeitar a Natureza e tentar usufruir da mesma.

  • evitar ficar refém das redes sociais e afins, procurando criar laços e fazer um esforço concertado para nos conectarmos aos outros com bondade, compaixão e alegria.

  • sentir Gratidão genuína, agradecer o que a vida nos dá."


_______________________________________________


Para além do fantástico texto que inspira qualquer um, a Patrícia partilhou também um exemplo das suas refeições num dia normal:


Pequeno-Almoço

Almoço

Jantar

___________________________________________________________________________________________



Dra. Patrícia Lopes




Farmacêutica Comunitária desde 2001

Mãe de 2 filhos

Praticante de Biodanza

Interesse pela área da Nutrição

Gosta genuinamente das pessoas,

de dar abraços e ajudar.

Um coração do tamanho do mundo.




Grata pela tua participação!






269 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page