top of page
  • Foto do escritorJoana

NAAAS

O flagelo dos animais abandonados não é exclusivo de algumas zonas no nosso país. Este é um problema que afeta todas as regiões, independentemente da zona ou do número de habitantes. É para estes animais, que existem organizações (algumas já falámos aqui) dedicadas aos que tiveram a infelicidade de estar nas mãos erradas.



O Núcleo de Apoio aos Animais Abandonados de Sintra dedica-se, precisamente, a estes fiéis amigos desprotegidos deste concelho tão próximo à Capital do nosso país. Trata-se de um trabalho importantíssimo, que pretende colmatar a falta que estes animais sentem de quem os traiu, abandonando-os. Conheçam a NAAAS, e surpreendam-se com o esforço que fazem para os proteger.



"Foi em Abril de 2009 que o Núcleo de Apoio a Animais Abandonados de Sintra se constituiu como associação sem fins lucrativos. Embora essa data seja um marco na história do NAAAS, o resgate e o tratamento de animais abandonados já vinha de longe. Cada um de nós já se preocupava e cuidava de animais de rua, quer fossem colónias de gatos, cães necessitados ou outros animais com quem nos cruzávamos. Como é óbvio, as associações mais não são do que um conjunto de pessoas com objectivos comuns, de caridade em relação aos animais; por haver ainda muito desrespeito pelos animais em Portugal, o nosso trabalho continua a ser indispensável.



O NAAAS, à semelhança de tantas outras associações, lutou e luta constantemente com inúmeras adversidades. Fazendo um trabalho de caráter solidário, e já que os apoios são muito poucos, à semelhança do que acontece com muitas outras instituições até de cariz humanitário, o NAAAS conta, maioritariamente, com a solidariedade dos membros e amigos da associação para resolver os problemas dos animais que um dia, pessoas como nós criaram, ao deixarem os animais na rua ou a negligenciá-los dentro de casa. Efectivamente, a falta de recursos é o maior e permanente problema.



Ultrapassámos as dificuldades iniciais com a ajuda dos membros fundadores da associação; pudemos assim organizar o espaço, aplicar o projecto arquitectónico e, com empenho e dedicação, fizémo-lo crescer em todas as áreas. Fazemos diariamente um enorme esforço por cumprir todas as regras determinadas tanto pelos serviços camarários como pela DGV, aspecto que grande parte das pessoas desconhece e que nos faz, também, empenhar muitos recursos.



O NAAAS cresceu e continua a ajudar centenas de animais por ano, graças também, aos sócios e padrinhos. Criar o papel de associado permitiu-nos encaixar algum dinheiro que é aplicado, quase exclusivamente, nas enormes despesas veterinárias, nunca saldadas. Apadrinhar um cão é uma outra ajuda mensal que, embora de baixo valor, contribui para ajudar determinado animal; particulares e empresas ou até escolas, poderão apadrinhar um animal.



A alimentação para os nossos cães chega-nos dos bancos alimentares que os voluntários realizam aos fins-de-semana, por vezes em parceria com supermercados, marcas ou outras associações; organizamos e participamos em eventos relacionados com os animais, feiras, vendas, caminhadas, sorteios. Todas essas pequenas realizações permitem-nos, também, angariar fundos, sempre em falta.



O dia-a-dia no abrigo é complexo. Todos os cães que habitam nas boxes têm algum tempo de liberdade, pelo menos uma vez por dia. Alguns têm a possibilidade de andar soltos, dependendo do perfil e do relacionamento entre si. Tratar dos cerca de duzentos cães, número quase sempre ultrapassado, é um trabalho exigente e duro, para muitos invisível, mas queremos proporcionar aos animais as melhores condições possíveis - alguns cães só aqui é que conhecem, pela primeira vez, o amor, o carinho, uma mão amiga e o conforto. Limpar, soltar, controlar e passear os cães de acordo com as características de cada um; medicar, cuidar. Levar um animal doente ao veterinário, ir buscar em pós-operatório, cuidar para que nada lhes falte. Tudo isto são tarefas diárias incontornáveis.



Uma outra área muito complexa mas que nos orgulhamos de fazer bem, é a das adopções, uma das mais importantes que existe na associação; deste trabalho depende o futuro e a felicidade dos cães que saem do nosso abrigo. O acompanhamento prévio e pós-adopção é fundamental para uma boa integração e futura vida em família.



Os nossos animais são divulgados nas redes sociais, que se revelaram uma ajuda imprescindível e a elas devemos muitos contactos, sejam contactos para adopções, para voluntariado ou para apadrinhamento. Também para estas tarefas temos voluntários a trabalhar diariamente. Esse é o lado virtual do NAAAS que contribui bastante para dar conhecimento do que se passa com os animais no terreno e o feedback tem sido muito bom.



No NAAAS vivem muitos animais seniores, os que são mais difíceis de adoptar, porque existe ainda um mito que remete os interessados preferencialmente para os cachorros. Adoptar um animal adulto é ter a certeza sobre o seu perfil e porte e a garantia de gratidão para sempre.



Dependendo da sua história de vida, do seu estado de saúde, da idade, os animais que vivem no NAAAS sonham com um futuro risonho. Sejam novos, velhos, doentes ou saudáveis, de raça ou rafeiros, pequenos ou grandes, os cães querem estar juntos de pessoas e viver com elas. Sonham com uma casa, em alguns casos, como a que já tiveram um dia.



E a nós, o que nos move? O amor que temos pelos animais que, quase sempre de um momento para o outro, perderam tudo. No NAAAS os animais têm a possibilidade de reencontrar o amor para sempre."


NAAAS


99 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page