top of page
  • Foto do escritorViver Alternativo

Dia Mundial da Saúde Mental - pela Dra. Helena Marques




No passado domingo, dia 10, assinalou-se o Dia Mundial da Saúde Mental, e o quão importante nós consideramos este dia, principalmente tendo em conta todo o contexto atual pelo que temos vindo a passar, à escala global.


Não é a toa que ambas (tanto eu como a Joana), considerámos logo este tema como categoria do nosso canto online, mas porque ambas sabemos que é tão crucial a saúde física como a saúde mental.


Para assinalar o dia, contámos com uma presença muito especial, onde eu deixo aqui expresso todo o meu agradecimento, à minha psicoterapeuta, que já me acompanha há mais de um ano e que não hesitou quando lhe pedi para nos falar um pouco da importância desta saúde que não se vê.


A Dra. Helena Marques, entrou na minha vida numa fase especialmente delicada, vá, muito difícil, e degrau a degrau, com toda a rede que se chegou à conclusão que precisava (medicação), tem sido a minha muleta de autoconhecimento. Já consigo ver o copo meio cheio, noto tantas diferenças em mim... mas o caminho faz-se caminhando, e não há mal absolutamente nenhum em ter orientação, em pedir ajuda.


Pedir ajuda não é sinal de fraqueza, mas sim de coragem e amor-próprio!



___________________________________________________________________________________________



VA: Dra. o que a levou a seguir Psicologia? E qual a área que gosta mais de trabalhar?


Dr.ª: "Desde sempre que me considero um ser versátil e isso tem-me ajudado muito ao longo da vida. Filha de pais emocionalmente diferentes, com idades de avós, e sendo a mais nova de uma fratria feminina e também de faixas etárias muito diferentes. Particularidade essa que, tendo em conta a experiência dos mais velhos, eu acabava por não dar muito trabalho, e ia sendo o que queria, o que me levou a escolher e gostar de muitas pessoas e muito diferentes umas das outras. Penso ter sido esse meu contexto que me levou a ter sempre tendência para escutar, tentar perceber e ajudar – não me lembro de ouvir só para saber – tinha sempre uma intenção associada.


A minha abordagem principal é a cognitiva-comportamental integrativa. Por paixão, também veio a formação neuropsicológica – comportamento vs cérebro."


VA: Tendo em conta a experiência da Dr.ª Helena, porque considera que tanta gente não dá a merecida atenção às questões de saúde mental?


Dr.ª: "A Psicologia foi a última ciência a ser estudada e reconhecida. Só recentemente e muito devagar a sua importância vai fazendo sentido na vida das pessoas.

A atenção que tem ainda não lhe faz justiça, porque logo o seu princípio embate nos interesses médicos e, por conseguinte, o mundo farmacológico - porque a psicologia não alimenta a indústria farmacêutica, não se baseia em químicos para tentar ajudar o paciente.

Adicionalmente existe também uma percentagem generosa com alguma resistência a esta ciência, por variadas razões sociais e culturais."


VA: Uma vez que a pandemia só veio acentuar ainda mais estas problemáticas, que medidas pensa poderem ser aplicadas para ajudar e apaziguar todas as situações relacionadas com a instabilidade na parte mental?


Dr.ª: "As medidas sei que passam principalmente pelo que diz respeito a cada um de nós. A Psicologia é uma resposta de “promover antes de”, logo nunca será de interesses de primazia."


Um dos hobbies preferidos da Dra: a pintura

___________________________________________________________________________________________


Eu subescrevo muito do que a Dra. Helena defende, a população em geral está habituada a ter uma queixa, vai ao médico e procura a solução através de um fármaco e fim da história.

No entanto, em questões de saúde mental, a coisa não é de todo linear, há todo um processo a desenvolver para se perceber porque se chegou àquele ponto e o que fazer, que estratégias adotar para nos voltarmos a sentir bem connosco próprios. E isso não se vende em caixas de comprimidos.

É um trabalho demorado, de paciência a autodescoberta, muitas vezes exigente, mas que nos leva a um conhecimento profundo de nós mesmos.

Infelizmente, a sociedade ainda não dá o valor merecido a esta ciência que tanto me tem ajudado a mim e tantos outros que pedem ajuda, e são ajudados, cada um à sua maneira, e com as suas problemáticas.

Uma coisa posso garantir, se não fizeres nada, nada mudará!



Em nome do Viver Alternativo, em meu nome particularmente, agradeço à

Dra. Helena Marques pela sua participação!!





Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page